quinta-feira, 12 de abril de 2007

Matemáticos

Ao longo dos anos foram diversos os matemáticos que se salientaram com a seu contributo para o desenvolvimento da matemática.

Pitágoras

Natural de Samos, na Ásia Menor, onde terá nascido nos finais do século VI a. C., emigrou para Crotona, colónia grega no Sul da Itália, e aí fundou uma escola místico-filosófica com preocupações sociopolíticas, cuja influência acabou por dominar a cidade. Atendendo ao carácter hermético da sua doutrina ( no interior da escola vigorava uma regra de sigilo que considerava como crime a divulgação dos ensinamentos aos não iniciados, pelo que não existiam quaisquer escritos), assim como à aura de profeta prodigioso que acabou por o envolver, são pouco fidedignos os relatos que dele nos chegaram, além de se tornar muito difícil distinguir o que é genuinamente de Pitágoras do que foi introduzido pelos seus discípulos.



Do interesse pela matemática resultaram alguns avanços científicos, sobretudo nas áreas da geometria e da aritmética (dos quais o Teorema de Pitágoras será o mais famoso).


Newton

Isaac Newton (Woolsthorpe, 4 de Janeiro de 1643 — Londres, 31 de Março de 1727) foi um cientista inglês mais reconhecido como físico e matemático. Foi um dos criadores, junto com Leibniz, do Cálculo Diferencial e Integral. Também descobriu várias leis da mecânica como a actualmente conhecida como Lei Fundamental da Dinâmica e a Teoria da Gravitação Universal. Para ele, a função da ciência era descobrir leis universais e enunciá-las de forma precisa e racional.
Newton estudou no Trinity College de Cambridge, tendo-se graduado em 1665. Um dos principais precursores do Iluminismo, seu trabalho científico sofreu forte influência de seu professor e orientador Barrow (desde 1663), e de Schooten, Viète, John Wallis, Descartes, dos trabalhos de Fermat sobre rectas tangentes a curvas; Cavallieri, das concepções de Galileu e Kepler.
Em 1663, formulou o teorema hoje conhecido como Binómio de Newton. Fez suas primeiras hipóteses sobre gravitação universal e escreveu sobre séries infinitas e o que chamou de teoria das fluxões (1665), o embrião do Cálculo Diferencial e Integral. Por causa da peste, o Trinity College foi fechado em 1666 e o cientista foi para casa de sua mãe em Woolsthorpe. Foi neste ano de retiro que construiu quatro de suas principais descobertas: o Teorema Binomial, o cálculo, a Lei da Gravitação Universal e a natureza das cores. Construiu o primeiro telescópio de reflexão em 1668, e foi quem primeiro observou o espectro visível que se pode obter pela decomposição da luz solar ao incidir sobre uma das faces de um prisma triangular transparente (ou outro meio de refracção ou de difracção), atravessando-o e projectando-se sobre um meio ou um anteparo branco, fenómeno este conhecido como Dispersão Luminosa. Optou, então, pela teoria corpuscular de propagação da luz, enunciando-a em (1675) e contrariando a teoria ondulatória de Huygens.


Gottfried Wilhelm Leibniz


Filósofo, matemático e conselheiro político alemão nascido em 1646, em Leipzig, e falecido em 1716, em Hanôver. Foi importante para o desenvolvimento da metafísica e da lógica, tendo-se distinguido ainda pela invenção do cálculo diferencial e integral. O seu sistema filosófico é pluralista, racionalista e optimista.

A ele é creditada a criação do termo "função" (1694), que usou para descrever uma quantidade relacionada a uma curva; como, por exemplo, a inclinação de uma curva ou um ponto qualquer de uma curva. De modo geral, juntamente com Newton, é creditado a Leibniz o desenvolvimento do cálculo moderno; em particular por seu desenvolvimento da Integral e da Regra do Produto.


Augustus de Morgan

Matemático inglês, nascido na Índia, em 1806, e falecido em 1871. Autor de inúmeros trabalhos em várias áreas da matemática, definiu e introduziu o conceito de indução matemática numa base rigorosa. Forneceu uma interpretação geométrica dos números complexos. Reconhecendo a natureza puramente simbólica da álgebra, introduziu as leis chamadas de De Morgan em lógica matemática, a sua maior contribuição para o pensamento matemático.



Leonardo Fibonacci

Matemático italiano, nascido em 1170 e falecido em 1250, natural de Pisa, foi educado no Norte de África, onde o seu pai detinha um posto diplomático. Regressado a Pisa por volta de 1200, após ter viajado extensamente, publicou Liber Abbaci, introduzindo o sistema de numeração indo-árabe. Para além deste, escreveu, ainda, Pratica Geometriae, Flos e Liber Quadratorum, de que ainda existem cópias manuscritas. Estas obras colocam Fibonacci como o maior vulto entre Diofanto e Fermat relativamente à teoria dos números, sendo construídas em torno de problemas práticos, muitos deles clássicos, mas também dirigidos à actividade mercantil característica de Pisa. A famosa sequência de números que leva o seu nome é introduzida em Liber Abacci. No entanto, para além do sistema de numeração, a influência de Fibonacci no desenvolvimento da Matemática foi mais limitada do que seria de esperar da sua obra e dos resultados atingidos.


Sucessão de Fibonacci
Na matemática, os Números de Fibonacci são uma sucessão definida por recorrência pela fórmula:


A sucessão começa com 0 e 1, e então e o próximo número de Fibonacci obtém-se somando os dois anteriores.
Os primeiros Números de Fibonacci para n = 0, 1,... são
0, 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144, 233, 377, 610, 987, 1597, 2584, 4181, 6765, 10946



Blaise Pascal

Matemático, físico, filósofo religioso e escritor francês, nasceu em Clermont Ferrand em 1623 e morreu em Paris em 1662. Pascal foi o fundador da moderna teoria das probabilidades. As suas ideias sobre o que se encontra oculto na religião influenciaram o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, Henri Bergson e os existencialistas. Aos 17 anos publicou um ensaio sobre matemática que lhe mereceu um elogio de René Descartes. Inventou o primeiro calculador digital (1642/1644). Realizou estudos em geometria, hidrodinâmica, hidrostática e pressão atmosférica. Inventou a seringa e descobriu a lei de Pascal da pressão (1647/1654), que se enuncia da seguinte forma: "um fluido sob determinada pressão exerce pressões totais iguais sobre iguais áreas" e o princípio da pressão hidráulica (1640). Em 1656 e 1657 empreendeu a sua famosa controvérsia com os jesuítas em 18 cartas clandestinas, conhecidas por Les Provinciales, em que Pascal coloca os problemas da teologia moral ao alcance do leitor comum, escreve a favor do jansenismo e contra os jesuítas. Devido à precisão de estilo, estas cartas marcam o início da moderna prosa francesa.


Heinrich E. Heine

Matemático alemão, Heinrich Eduard Heine nasceu em 1821 e faleceu em 1881. Foi aluno de Gauss e Dirichlet, e emprestou o seu nome ao teorema conhecido como de Heine-Borel: "um subconjunto dos reais é compacto se e só se é fechado e limitado". Foi o primeiro a formular o conceito de continuidade uniforme.
No estudo de limites de funções, no Ensino Secundário é dada uma definição de limite de função recorrendo aos limites de sucessões. É costume designá-la por definição de limite segundo
Heine, em homenagem ao matemático alemão.

4 comentários:

englishing disse...

Olá Ana ... ainda bem que hoje existem professores de Matemática motivadores e prontos a novos desafios...no meu tempo só se faziam exercícios de aplicação...BORING!!!

alice no pais das maravilhas disse...

Cara colega desde já os meus parabéns pelo seu blog.
Quero também agradecer-lhe a ajuda que me tem prestado na criação do meu blog.

alice no pais das maravilhas disse...

Peço desculpa pelo incómodo mas gostaria que me ajudasse a resolver este enigma:
1+1=10

Muito obrigada.

France2 disse...

Ó Ana, no país das maravilhas não há profs de Matemática? Aproveita, então, e cobra muito bem a consulta!...
Agora a sério, tens um blog muito bem organizado, com material diversificado e muito inovador. Parabéns!